41% dos Brasileiros Acham Inaceitável Ficar Sem Smartphone

smartphone

Os smartphones estão cada vez mais importantes e presentes na vida das pessoas.

Atualmente, é comum encontrarmos pessoas equipadas com o dispositivo em qualquer parte do mundo. E um levantamento feito pela BemMaisSeguro.com mostra que ficar sem celular é inaceitável para 41% dos brasileiros ouvidos pela pesquisa.
O estudo, que entrevistou 362 pessoas, teve como objetivo descobrir quais os motivos que as fizeram ficar sem smartphone, quais são suas reações e atitudes tomadas. Por incrível que pareça, a importância do dispositivo é tanta que mais de 25% dos usuários adquirem outro aparelho em menos de 24 horas, e outros 29% dos entrevistados conseguem um novo modelo em até uma semana.
Entre as principais causas da ausência do smartphone, 64% dos usuários relatam terem sido vítimas de roubo e furto, enquanto apenas 20% perdem o aparelho. Para não precisar desembolsar dinheiro para adquirir um novo dispositivo, as seguradoras de celulares se mostram como uma boa alternativa. Dos entrevistados, cerca de 63% afirmam ter interesse em contratar o serviço, sendo que alguns deles já o fizeram.
Os planos mais simples oferecidos pelas seguradoras garantem um novo smartphone caso o usuário seja vítima de roubo ou furto qualificado. Mas existem outras proteções contra quebra acidental, queda de líquido e ligação não autorizadas.
O mercado de seguros para smartphones ainda está em fase inicial no Brasil. Mas com o aumento acentuado no número de vendas dos aparelhos deverá impactar diretamente neste mercado. Segundo o IDC, deverão ser vendidos cerca de 55 milhões de telefones inteligentes neste ano no mercado nacional.
De acordo com o presidente da BemMaisSeguro.com, Marcello Ursini, “apesar de algumas pessoas ainda não conhecerem esse tipo de seguro, a procura pelo serviço deve dobrar por conta do apego cada vez maior dos usuários com o celular. Devido a aplicativos, fotos, agenda, entre outras ferramentas, ficar sem o aparelho passa a ser um prejuízo não só material, mas também emocional”.
Fonte: CanalTech